Análise Morfológica: o que é e como faz?

Análise morfológica é o estudo de cada uma das palavras presentes em uma oração de maneira independente, observando sua classe gramatical.

Existem dez classes gramaticais: numeral, verbo, interjeição, advérbio, pronome, substantivo, preposição, artigo, adjetivo e conjunção.

Análise sintática e análise morfológica

Alguns estudantes confundem análise sintática com análise morfológica, porém as duas têm diferenças básicas. Na análise sintática a palavra não é analisada isoladamente e mantém relação com as outras palavras que compõem a frase. Dessa forma, as palavras exercem uma função na oração.

Já na análise morfológica, as palavras são estudadas a partir das suas classes gramaticais sem nenhum interesse na sua função dentro da frase.

Adjetivo

É toda palavra que certifica uma característica, qualidade, aspecto ou estado a um substantivo. Passam por uma flexão em gênero, número e grau e são classificados em:

Adjetivos simples – Ex: rosa / feio / grande.
Adjetivos compostos – Ex: verde-escuro / franco-brasileiro.
Adjetivo primitivos – Ex: triste/ bom.
Adjetivos biformes – Ex: vermelho / vermelha
Adjetivos uniformes – Ex: azul / feliz. Normalmente adjetivos terminados em –e, -z, -m e –l são uniformes.
Adjetivos pátrios – Ex: alagoano / cubano.

Artigo

É a palavra que precede o substantivo e pode ser utilizado de forma definida ou indefinida. O artigo também indica na análise morfológica o número e o gênero dos substantivos.

Artigos definidos indicam os substantivos de forma precisa: o, a, os, as.

Ex: Ele comprou o apartamento.

Artigos indefinidos indicam os substantivos de forma vaga: um, uma, uns, umas.

Ex: Ele comprou um apartamento.

Advérbio

São empregados na análise morfológica por palavras invariáveis que transformam o verbo, o adjetivo ou o advérbio, indicando circunstância. São eles:

Advérbio de tempo – Ex: hoje / tarde.
Advérbio de lugar – Ex: embaixo / atrás.
Advérbio de modo – Ex: rapidamente / devagar.
Advérbio de afirmação – Ex: certo / decididamente.
Advérbio de negação – Ex: nem / tampouco.
Advérbio de dúvida – Ex: provavelmente / possivelmente.
Advérbio de intensidade – Ex: bastante / quanto.
Advérbio de exclusão – Ex: unicamente / senão.
Advérbio de inclusão – Ex: ainda / mesmo.
Advérbio de ordem: Ex: ultimamente / primeiramente.

Conjunção

São palavras que não tem variações e ligam duas orações ou os termos da oração. São classificadas em:

Conjunções coordenativas – Ex: e / mas / ou / pois.
Conjunções subordinativas – Ex: que / como / quanto.

Interjeição

São palavras invariáveis que simbolizam sensações, estados de espírito, emoções e podem demonstrar surpresa, impaciência, medo, alegria, entre outros.

Ex: eita! / ai! / ufa! / ah! / bravo!

Numeral

São as palavras que indicam quantidades de coisas ou pessoas. Uns são invariáveis e outros sofrem variação em gênero e número. Elas são classificados em:

Numerais cardinais – Ex: um, dois, três.
Numerais ordinais – Ex: primeiro, segundo, terceiro.
Numerais multiplicativos – Ex: dobro, triplo.
Numerais fracionários – Ex: um terço, um quarto.
Numerais coletivos – Ex: dezena, dúzia.

Preposição

As preposições são palavras que não variam e estabelecem conexões com múltiplos sentidos entre dois termos da oração. Na análise morfológica elas são classificados em:

Preposições essenciais – Ex: a / de / por / para.
Preposições acidentais – Ex: conforme / durante / segundo.
Pronome
Pronomes são palavras que representam o substantivo em uma frase ou acompanham e modificam. Sofrem variação em gênero, número e pessoa. Eles são classificados em:

Pronomes pessoais retos – Ex: eu / tu/ ele.
Pronomes pessoais oblíquos – Ex: me / o / a / se.
Pronomes pessoais de tratamento – Ex: você / senhora.
Pronomes possessivos – Ex: meu / seu.
Pronomes demonstrativos – Ex: esse / aquele.
Pronomes interrogativos – Ex: quem / quando.
Pronomes relativos – Ex: cujo / onde.
Pronomes indefinidos – Ex: algum / nenhum.

Verbo

É uma palavra que assinala acontecimentos representados no tempo como ação, estado, processo ou fenômeno. Eles conjugam-se em número, pessoa, tempo, modo, aspecto e voz. As frases se desenvolvem em torno dele e assim podemos fazer uma análise morfológica.

Verbos principais: transmitem a ação sozinhos. Ex: comer / dançar / escorregar.
Verbos regulares: se encaixam em modelos fixos de conjugação verbal, porque não alteram os radicais e as terminações após serem conjugados. Ex: andar / falar / estudar.
Verbos irregulares: não se encaixam nos modelos fixos da conjugação verbal, já que possuem alterações em seus radicais e nas terminações. Ex: medir / pedir / trazer.
Verbos anômalos: apresentam radicais diferentes quando são conjugados. Ex: ser / ir.
Verbos auxiliares: se unem às formas nominais de um verbo principal e indicam tempo, modo, número e a pessoa da ação verbal. São empregados nos tempos compostos e nas locuções verbais. Ex: estar / haver / ir.
Verbos de ligação: esses verbos auxiliam unindo uma característica ao sujeito e indicam estado. Não são significativos e nem demonstram uma ação realizada, não são então o núcleo do predicado. Ex: parecer / ficar / estar / andar.
Verbos defectivos: não apresentam conjugações completas, ou seja, não são conjugados em todas as pessoas verbais por fatores morfológicos, fonéticos ou semânticos. Ex: banir / reaver / colorir / adequar.
Verbos impessoais: são verbos que não tem sujeito e são conjugados sempre na 3ª pessoa do singular. Ex: haver (com sentido de existir) / fazer (indicando tempo decorrido) e verbos que indicam fenômenos atmosféricos e da natureza (chover, nevar, ventar, anoitecer, escurecer…).
Verbos unipessoais: apresentam sujeito mas não são conjugados apenas na 3ª pessoa do singular e na 3ª pessoa do plural. Ex: verbos relacionados a voz dos animais (latir, miar, cacarejar, mugir…) / verbos que, na 3ª pessoa do singular se relacionam com o sujeito demonstrado por uma oração (convir, custar, acontecer…).
Verbos abundantes: são verbos que possuem duas formas semelhantes no particípio, ou seja, particípio duplo com uma forma regular e outra irregular.
Ex: Infinitivo – acender / assentar / corrigir.

Particípio regular – acendido / assentado / corrigido.

Particípio irregular – aceso / assento / correto.

Verbos pronominais: são conjugados com os pronomes oblíquos átonos me, te, se, nos, vos, se. Existem dois tipos, essenciais e acidentais.

Verbos pronominais essenciais – verbos que o radical já transmite a ideia de reflexibilidade havendo reforço dessa reflexibilidade através do uso dos pronomes oblíquos átonos. A ação reflexiva recai sobre o próprio. Ex: queixar-se / enganar-se / sentar-se.

Verbos pronominais acidentais – são os verbos no qual o radical não transmite ideia de reflexibilidade. A reflexibilidade dele é transmitida através do uso dos pronomes oblíquos átonos, em alguns contextos, podendo o verbo ser utilizado sem os pronomes oblíquos átonos. Além de que a ação reflexiva pode recair sobre o próprio ou sobre outra pessoa. Ex: debater / debater-se, esquecer / esquecer-se.